Sexta, 3 de abril de 2020

Destaque

SERPROS tranquiliza participantes sobre situação dos investimentos com pandemia do Covid-19 => Teletrabalho dos funcionários do Fundo garantem normalidade no pagamento dos benefícios

"A concessão e o pagamento de benefícios não sofreram interrupções em virtude da pandemia Covid-19. O teletrabalho realizado pelos empregados mantém os processos em funcionamento sem prejuízo destas atividades". A informação consta do site do SERPROS

Em outra matéria, com o título "Efeitos do Covid-19 nos Investimentos", o SERPROS publicou em seu site uma
nota  onde explica os efeitos da crise sanitária e econômica com o advento da pandemia do coronavírus (Covid-19). Segundo a direção do Fundo, o SERPROS possui apenas 7% de seu patrimônio em Bolsa de Valores e que a depreciação deste momento será recuperada mais adiante, quando a economia voltar ao normal. Segundo o SERPROS, há liquidez suficiente para arcar com seus compromissos com os participantes.

Veja a íntegra da nota do SERPROS abaixo.

EFEITOS DO COVID-19 NOS INVESTIMENTOS

A direção do Serpros, ciente da crise econômica que assola o mundo e o Brasil, entende que este assunto tem motivado a apreensão dos seus Clientes.

Os Planos PS I e PS II foram afetados, como todos fundos de investimentos.

Porém, é importante informar que as carteiras dos planos alocam em média valores em torno de 7% dos recursos garantidores direcionado para renda variável (ações). A baixa observada até o momento (01/01/20 a 19/03/20) está próxima de 38% do volume arrecadado no trimestre.

O restante dos recursos está assim distribuído: 85% em títulos públicos e os 8% restantes são alocados em imóveis e fundos multimercados.

Assim, o retorno dos investimentos dos planos gira em torno de -3% no período.

Ressaltamos que, como não resgatamos as cotas dos referidos fundos e temos liquidez para honrar nossos compromissos com vocês, participantes, quando tudo voltar à estabilidade os preços voltarão aos níveis anteriores, como ocorreu em crises anteriores.

Podemos afirmar a todos que temos grau de liquidez, lastreado em títulos públicos, que representam 85% do volume de recursos dos planos.

Nossa equipe de investimentos acompanha a evolução dos mercados no Brasil e no mundo em tempo real. Como todos os demais gestores de fundos de previdência, ainda não temos como montar cenário econômico para médio e longo prazos. Manteremos todos informados.

Acompanhem os nossos informativos.

30/03/20

FIQUE EM CASA. PROTEJA-SE

Não haverá reunião mensal da ASPAS com associados

Sites informam estágio do Coronavírus em cada país do mundo em tempo real

=> Acompanhe a pandemia nos quatro cantos do planeta

Sites como o
https://www.covidvisualizer.com/ e o https://www.worldometers.info/coronavirus/ informam, em tempo real, as notificações de casos de Covid-19 em todos os países do mundo, assim como os dados de mortos pela pandemia e também daqueles que contraíram a doença, mas já estão recuperados.

Até a semana passada, quase 500 mil casos de Covid-19 já haviam sido relatados no mundo, com mais de 21 mil mortes. A média de mortes no mundo estava em 16%.

No Brasil, onde o vírus chegou mais tarde do que na Ásia, na Europa e nos Estados Unidos, a curva de casos notificados é assustadoramente ascendente a partir de meados de março (gráfico abaixo).

O ministro da Saúde chegou a prever um "colapso" da rede de saúde - pública e privada - para o final de abril, início de maio. Colapso é caracterizado quando a rede não consegue atender a todos aqueles que a procuram. Ou seja, pessoas podem ficar sem atendimento, o que agravaria ainda mais o sofrimento e os óbitos.

Mantenha-se informado.

30/03/20

Desinfetante alternativo evita a propagação do coronavírus em casa

=> Infectologista da UFMG explica o que deve ser feito dentro de casa para barrar a disseminação do vírus

Enquanto a recomendação é ficar dentro de casa para evitar a propagação intensa do novo coronavírus, a tendência é que banheiros, quartos, paredes e vidros fiquem sujos mais rapidamente do que em dias normais. Além disso, com o aumento de serviços de entrega, é necessário ficar atento a quem entra em sua residência. O jornal Estado de Minas conversou com o infectologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais Mateus Westin sobre como e quando limpar os cômodos do lar.

Em meio à pandemia de coronavírus, quando se pensa em desinfetante, o álcool é um dos primeiros a ser lembrado. No entanto, com o produto em falta na maioria dos estabelecimentos das grandes cidades, há outro componente conhecido que serve de substituição, desde que devidamente diluído: a água sanitária.

ATENÇÃO: o produto só serve como substituição na hora de lavar paredes, vidros e pisos. NUNCA passe água sanitária no corpo.

"A gente tem estudo, de outros contextos epidêmicos e de outros coronavírus que já circulavam, mostrando que desinfetantes comuns têm ação na redução da propagação do vírus. Esses estudos mostraram que a água oxigenada e a água sanitária são eficazes na eliminação do coronavírus", explica o infectologista.

No caso da água sanitária, Westin ressalta que o produto deve ser diluído em água comum. A recomendação é diluir 200ml de água sanitária 2,5% (concentração comercial) em 5L de água - isso gera uma solução de hipoclorito de sódio (água sanitária) à 0,1%. "Foi essa concentração que se mostrou eficaz nos estudos prévios e que, possivelmente, também é eficaz para a atual variante MERS-cov2", informou.

"Esses desinfetantes são importantes porque nem tudo pode ser limpado com água e sabão. O vírus tem a capacidade de ficar retido na superfície de um objeto e, até pelo preço, esses produtos podem ser uma boa alternativa para o álcool", observa.

Westin lembra que as águas sanitária e oxigenada foram utilizadas recentemente, quando várias cidades mineiras enfrentaram problemas de grandes enchentes. Na ocasião, os desinfetantes foram utilizados para evitar doenças como leptospirose e hepatite A.

VÍRUS DENTRO DE CASA

Caso a recomendação de isolamento dentro de casa for cumprida, a única chance de as pessoas terem contato com vírus é se elas receberem visitas. Por isso, em um contexto como esse, é importante reduzir ao máximo o número de pessoas que entram em seu imóvel, inclusive deliveries - neste caso, a dica é recolher a compra do lado de fora da residência.

Depois de pegar a mercadoria, a recomendação é lavar com água e sabão as embalagens. Em caso de frutas, verduras e legumes, também se recomenda a lavagem.

Caso não seja possível permanecer em casa, é importante trocar de roupa assim que voltar da rua. Lembre-se: o vírus pode ficar em objetos, superfícies e também em tecidos. "Se você está no elevador, uma outra pessoa que tem o vírus tosse e você encosta na parede ou no corrimão, você vai levar o vírus para casa", conta o especialista.

Justamente por isso, a recomendação é de também lavar com água e sabão as roupas.

No entanto, Westin ressalta que não se justifica entrar em pânico, porque não se sabe exatamente por quanto tempo o vírus pode ficar retido nas superfícies, de acordo com as circunstâncias. "Isso vai depender de cada superfície. Foram feitos vários estudos anteriormente e isso depende da quantidade de secreção respiratória liberada, depende do tipo de material, se o lugar está ventilado, dentre outras coisas".

(Estado de Minas)

30/03/20

Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa

=> Em tempos de pandemia, especialista esclarece como evitar a propagação do Covid-19 depois de ter que sair de casa por motivos de necessidade

Neste momento, uma das medidas mais eficazes e mais recomendadas por especialistas para evitar a propagação do novo coronavírus é o isolamento social. Como a COVID-19 é transmitida através de secreções, ficar em casa continua sendo a melhor forma de evitar o contato com pessoas infectadas pela doença. Mas nem sempre é possível cumprir esta recomendação e, por vezes, se torna necessário sair às ruas para trabalhar ou fazer compras. Quando isso ocorre, os cuidados ao retornar devem ser redobrados. O Estado de Minas entrevistou o infectologista e professor da UFMG Mateus Westin e reuniu a seguir uma série de recomendações para realizar a correta higienização dos materiais que tenham tido contato com o ambiente exterior, como roupas e sapatos.

O infectologista Mateus Westin explica que, no contexto de prevenção de infecções transmitidas por contato - uma das vias de transmissão do coronavírus -, recomenda-se que não se utilize bijuterias, anéis, colares, pulseiras, brincos e relógios. " É muito difícil se fazer a higiene desses objetos periodicamente, até porque eles têm reentrâncias e estruturas que são difíceis de serem higienizadas. Além disso, esses acessórios ficam em contato com a pele, e quando a gente sai, entram em contato também com outras pessoas e outros objetos. Por este motivo essas bijuterias podem se tornar uma fonte de propagação da infecção", alerta.

O especialista explica que, caso a pessoa se esqueça e acabe por utilizar algum desses acessórios, o ideal é que, ao chegar em casa, esses objetos passem por uma higienização adequada com álcool 70%. A limpeza com o produto também é válida em caso de óculos de grau, bolsas e carteiras.

ROUPAS E SAPATOS

Com relação a roupas e sapatos, de acordo com Mateus, o ideal é que, quando possível, o calçado deve ser retirado na chegada em casa. A mesma recomendação vale para toda a roupa do corpo. Depois disso, deve-se e separar esses itens para lavar.

Em seguida, a orientação é que, além de higienizar as mãos, se tome um banho para que a limpeza do corpo seja completa. Assim, é possível prevenir eventuais secreções que tenham entrado em contato com a pessoa. "É um momento de exceção em que todas as medidas intensivas devem ser tomadas para quebrar a cadeia de transmissão", completa.

Saiba mais aqui.

30/03/20

Parabenize os aniversariantes da semana

ATENÇÃO, BEBA ÁGUA!

Atualize seus dados e receba notícias pelo WhatsApp

Fale rapidamente com a ASPAS